OA

OA é terceiro álbum da carreira solo de Rapha Moraes e representa uma fase introspectiva e intimista do artista. Todas as canções ganharam uma estética mais atmosférica e revelam um lado muito íntimo do compositor através de suas letras. Na época Rapha não tirava de seus players sons como RYX, Oláfur Arnolds e Bon Ver. Essa inspiração se somou ao trabalho de Gustavo Schirmer, que assumiu a produção musical do álbum, que foi co-produzido pelo próprio Rapha Moraes..

OA.jpg
Captura de Tela 2022-02-02 às 22.21.51.png
Captura de Tela 2022-02-02 às 22.26.26.png
Captura de Tela 2022-02-02 às 22.20.41.png
Captura de Tela 2022-02-02 às 22.11.42.png
Captura de Tela 2022-02-02 às 22.31.25.png
Rapha Moraes (OA) - Não quero Mais - Videoclipe Oficial

Rapha Moraes (OA) - Não quero Mais - Videoclipe Oficial

Acompanhe o trabalho de Rapha Moraes nas redes: instagram: @raphamoraesbrasil ------------------ SAIBA MAIS SOBRE O CLIPE DE NÃO QUERO MAIS Rapha Moraes fala sobre a importância do tempo no clipe de “Não quero mais” O video é um aprofundamento no estilo contemplativo do álbum OA Diretamente da tempestade presente no recém lançado videoclipe de Coragem, surge um aprofundamento na performance do ator Luis Melo. Em “Não quero mais” podemos mergulhar em uma das cenas presentes em Coragem. Agora temos mais tempo para contemplar, lentamente, a performance intensa do ator para a última faixa do “OA”, álbum do curitibano Rapha Moraes. A partir da canção que mescla acordes de violão e sons atmosféricos de sintetizadores surge o vídeo que começa com uma frase retirada do filme "A Juventude" do diretor Paolo Sorrentino, que também dirigiu filmes como "A grande beleza": "Eu perdi os melhores anos da minha vida. Você diz que as emoções são besteiras, mas as emoções são tudo que temos.” Veja “Não quero mais”: https://youtu.be/RoKaJEefEM8 Ouça “OA”: https://raphamoraes.hearnow.com/oa Essa reflexão sobre o tempo e os sentimentos vem para potencializar a canção que fala, em poucas palavras, sobre despedida e partida. "Esse álbum veio pra relativizar a noção de tempo pra mim mesmo. Como nessa faixa, "Não quero mais", onde o instrumental é mais livre e solto e as atmosferas tem mais chance pra acontecer. E a própria letra e o clipe são inspirados nesse mesmo tema, trazendo uma reflexão sobre como utilizamos o tempo que temos", diz Rapha que também assina a direção do videoclipe. Através da dança e movimentos do experiente ator Luis Melo, podemos sentir algo como um ritual de despedida onde seguir não significa esquecer o passado, mas sim absorvê-lo, como diz a letra da música: "Não quero mais ter que partir sem olhar pra trás. Não quero mais ter que fingir assim". Rapha comenta sobre seu processo de composição: “Música pra mim sempre foi algo muito passional. É como uma sessão de psicanálise e descarrego. Algo realmente muito íntimo. Sobre essa letra eu senti que chega uma hora em que não há mais nada a fazer a não ser seguir em frente. E pra isso é preciso enfrentar as dores e ter força pra deixar elas pra trás também. Sem culpa por seguir em frente. Pelo menos é o que o caminho me parece sugerir. Em busca de um novo eu" E assim é a faixa e o clipe de "Não quero mais". Com muitas nuances instrumentais que passeiam por sintetizadores, violão folk e dinâmicas que sugerem um caminho ascendente e introspectivo. Veja também “Coragem”: https://youtu.be/AAxlNvYe6O0 Ouça “OA”: https://raphamoraes.hearnow.com/oa
Rapha Moraes - Coragem (Videoclipe Oficial)

Rapha Moraes - Coragem (Videoclipe Oficial)

Nos siga nas redes sociais instagram Rapha Moraes: https://www.instagram.com/raphamoraesbrasil/ instagram OA: https://www.instagram.com/oa.musica/ facebook Rapha: https://www.facebook.com/raphamoraesmusica/ facebook OA: https://www.facebook.com/oa.art.br/ site: https://oa.art.br/ Ouça CORAGEM NAS PLATAFORMAS DE STREAMING : http://smarturl.it/OARaphaMoraes CORAGEM sugere uma investigação pessoal para cada um que assistir o vídeo. “Essa letra parte de um ponto de vista bem pessoal sobre a necessidade de ter coragem para enfrentar os desafios mais íntimos de perdas e despedidas. Da necessidade de evoluir, melhorar. E acho que esse discurso se encaixou bem com o momento do país também. A coragem está sendo tão necessária”, reflete Moraes. No vídeo, entre imagens com clima de sonho filmadas em São Luiz do Purunã (PR) e Poços de Caldas (MG), pode ser vista uma performance de entrega total do premiado ator Luís Melo, em meio a uma tempestade; o jovem ator Pedro Vinicius, de 12 anos e que nasceu com Síndrome de Down, veste sua armadura e se prepara para a batalha. Além disso, a bailarina Andréa Barbour, que integra O Teatro Mágico, faz uma performance de dança e arte circense; e Tiago Catossi, especialista em saltos de grandes alturas e que já fez parte de grupos como o Aqualoucos, desafia a gravidade. Tudo para trazer para o visual a poética sonora do projeto, que é uma amostra da amplitude do trabalho do paranaense. Moraes, que é diretor audiovisual, produziu e dirigiu o clipe de “Coragem” e outros vídeos do projeto. A inspiração para “OA” veio de um livro autobiográfico escrito por Santos Dumont. Em “Meus Balões”, o aviador e inventor contrapõe a noção de que o que voa é mais pesado que o ar com a constatação de que havia feito um navio voar no céu. Das ideias de densidade e leveza, aparentemente opostas, surgiu a metáfora ideal para o novo projeto. Inicialmente batizado de “O mais leve que o Ar”, passou para “O AR” e se tornou apenas “OA”. Ele começou a ser construído em 2016, com composições de Moraes, que desde o início já pensava em ter um nome para o álbum que oferecesse mais amplitude que somente sua própria imagem e pessoa. Entre 2017 e 2018, o disco foi gravado com calma e cuidado com produção musical de Gustavo Schirmer (Marrakesh, Terno Rei, Vivian Kukzynsk). O disco foi masterizado por Mauricio Gargel e contou com sopros de Lauro Ribeiro. O clipe “Coragem” já está disponível no Youtube e o disco “OA”, em todas as plataformas de música digital. Ficha técnica: Direção: Rapha Moraes Co-direção: Gustavo Anitelli Roteiro: Rapha Moraes e Gustavo Anitelli Produtora: O Filme Produções Atores: Andréa Barbour Luis Melo Pedro Vinícius Tiago Catossi Montagem e edição: Rapha Moraes Assistente de Montagem: Tati Camargo Direção de Arte: Gui Almeida Assistente de Direção de Arte: Nathalie Caparica Figurino: Gui Almeida e Rapha Moraes Produção de Set: Nathalie Caparica Assistência de Produção: Luciano Tigre e Ademir Soares Câmera: Rapha Moraes Assistência de Câmera: Richardyson Marafon Operação de Gimbal: Rapha Moraes e Wilson Roberto (Movie Cam) Operação de Drone: Rapha Moraes Agradecimentos ao Ralf Andreas do Rancho Ventania, Campo das Artes, Rancho P & R e Mirante Perau do Purunã

SHOW AO VIVO

Disco OA (2019)

 

Direção Artística: Rapha Moraes

 

Produção Musical: Gustavo Schirmer

 

Co-produção Musical: Raphael Moraes

 

Mixagem: Gustavo Schirmer

 

Inserções de Mixagem e Mixagem Da Faixa "Sorte": Vinicius "Nico" Braganholo

 

Masterização: Mauricio Gargel

 

Bateria, Sintetizadores, Guitarra, Baixo, Violão e Backings: Gustavo Schirmer

 

Voz, Violão, Baixo: Rapha Moraes

 

Sopros: Lauro Ribeiro

 

Compositores:

 

Letras Por Raphael Moraes

 

Músicas Por Raphael Moraes

 

Exceto As Faixas "Abissal"; "Céu 2"; "Céu 1" e  "Não Quero Mais" por Rapha Moraes e Gustavo Schirmer

 

Faixa-a-faixa, por Rapha Moraes:

 

1 – ABISSAL

 

É a faixa do primeiro mergulho. Buscamos criar atmosferas sonoras mais cinematográficas e que poderiam sugerir imagens ao ouvinte. Captamos com um clássico “TASCAM” os sons na

 

floresta e depois os trouxemos para o estúdio. E o texto utilizado veio pra contextualizar as ideias que eu tinha sobre o álbum e o que estamos dizendo nele. A frase foi retirada do livro “Meus Balões”, autobiográfico de Alberto Santos Dumont.

 

2 – CORAGEM

 

Essa letra parte de um ponto de vista bem pessoal sobre a necessidade de ter coragem para enfrentar os desafios mais íntimos de perdas e despedidas. Da necessidade de evoluir, melhorar. E acho que esse discurso se encaixou bem com o momento do país também. A coragem está sendo tão necessária.

 

3 – CORREDEIRAS

 

Essa foi uma das últimas faixas do álbum. Pré-produzi ela em casa com caminhos de synths, levadas e arranjo. O Schirmer lapidou tudo, limpou e agregou ideias. A letra fala sobre mudança ou a busca dela. Sobre se desfazer do que somos, pra seguir para um “novo eu”. É um pouco como a fase em que as cobras trocam de pele. A letra foi inspirada nisso.

 

4 – MAIS DO QUE É

 

Talvez a letra mais doída pra mim. Escrevi quando realmente sentia que o excesso de realidade ao meu redor me murchava a inspiração. Sempre pensei naquela ideia de que “a arte existe porque a vida em si não basta”. Acho que é do Ferreira Gullar. E naquele momento eu pensava: e se houvesse excesso de vida? Teria espaço para arte em mim?

 

5 – CÉU 2

 

Céu 2 é outra parceria minha com o Schirmer. A letra, que saiu no improviso acabou contando uma história cronológica que se passava dentro de mim. Céu 1 fala sobre alguém que escuta uma voz, enquanto em Céu 2 essa mesma pessoa conta para outra o que ouviu. Tem um lance de espiritualidade ou de um olhar além da matéria.

 

6 – CÉU 1

 

Pela primeira vez no processo do álbum ligamos um pedal de voz que eu tinha faz anos e começamos a brincar com timbres e efeitos. O Schirmer plugou a guitarra e em questão de 1 hora e pouco tínhamos a música pronta e gravada. No improviso. A letra saiu junto com a harmonia e depois de pronta tentamos regravar ela. Porém, uma nova letra não se encaixava assim como uma novo formato de arranjo também não. Resolvemos simplesmente regravar o improviso. 

 

7 – VENTO

 

Uma das últimas, se não a última faixa a entrar no disco. Traz um pouco do groove sugerido pela “Coragem” e é mais uma que fala sobre despedida, usando um dos elementos que mais gosto na vida, que é o mar. 

 

8 – ESTRELAS PARTIDAS

 

Uma das primeiras músicas do álbum, já estava pronta desde o início de 2017, quase como ficou no resultado final. A primeira letra que devo ter escrito e que fala sobre um dos temas principais do disco: partidas, mudanças, despedidas.

 

9 – SORTE (SYNTH)

 

Essa canção é mais antiga do álbum. Já lutou para entrar em outros álbuns de outros projetos que lancei. Sempre gostei dela e achava que tinha conexão com o contexto todo. Dessa vez os arranjos me convenceram.

 

10 – NÃO QUERO MAIS 

 

Essa canção foi feita em uma parceria minha com o Schirmer. Talvez tenha sido a primeira delas. Enquanto ele tocava acordes no violão, eu ia esboçando melodias já com a letra que acabou ficando. Gravamos a bateria em um galpão de marcenaria enorme e utilizamos isso para o som do disco